Casa de Caridade anuncia suspensão de atendimento eletivo
Banner
Casa de Caridade anuncia suspensão de atendimento eletivo

     Na semana passada a Casa de Caridade de Carangola anunciou a suspensão do atendimento eletivo (exames, consultas, cirurgias eletivas, etc) realizados pelo SUS, IPSEMG, IPSM (Polícia Militar), AMIL, Bradesco e GEAP.  A  decisão foi tomada com base na dívida que os referidos convênios possuem com a Casa de Caridade.

      Conforme divulgado anteriormente além da falta de repasses pelo município de Carangola, a entidade vem sofrendo também a falta repasse por parte do estado de Minas Gerais e até mesmo do Governo Federal.  

   O somatório do déficit de repasses à Casa de Caridade feitos pelo município, estado e convênios, ultrapassa os 10 milhões de reais.

    Na quinta-feira (01/11),  a diretoria  fez contato com alguns convênios para esclarecimento da situação. Porém, somente o IPSM (Polícia Militar) informou que ainda não foi oficiado desta medida, e que recebe com surpresa esta notícia, uma vez que o IPSM, embora ainda esteja com pagamentos atrasados, vem realizando pagamentos mensais de forma a amortizar a dívida com a instituição. O último pagamento do IPSM à Casa de Caridade teria sido feito dia 22/10/18, não tendo o referido instituto deixado de repassar valores ao hospital nos últimos meses.

    Ainda segundo informações,  procedimentos já agendados e os casos de urgência e Emergência ainda serão realizados. Trata-se de uma alternativa que a direção encontrou para não gerar um colapso nas contas da entidade.

 

Mobilização

    O pronto-socorro também ameaça fechar, já que  a prefeitura não vem cumprindo com o pagamento mensal de seu compromisso para manter o funcionamento do pronto-socorro da Casa de Caridade no serviço de Rede de Urgência e Emergência.

     Nesta última segunda-feira(05/11) um grupo de lideranças de Carangola e região se reuniram e, após pedido e mobilização da vereadora Ana Beatriz inspirada no Movimento SOS Casa de Caridade de Carangola, se uniram para encontrar saídas e alternativas para a continuidade do atendimento do Pronto Socorro na Casa de Caridade de Carangola em sistema de Urgência e Emergência.

     Na reunião de mobilização, o Diretor da Casa de Caridade Francisco Sangy Filho, apresentou a dívida da Prefeitura de Carangola em quase R$ 1 milhão com o Pronto Socorro e disse que se a prefeitura pagar ajudaria  a continuidade do atendimento do Pronto Socorro.

    O Prefeito de Carangola não esteve presente na reunião.  Ele estaria viajando com o Secretário de Saúde em busca de recursos em Juiz de Fora. Seis dos doze vereadores de Carangola, participaram da reunião.

 

Com Informações e fotos - É O Combatente / Carangola Notícias

 

 

 
Banner
 
Banner
Banner

Notícias da TV

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Reflexão do Dia